Nós, portugueses: retratos de um país que foi a eleições


Durante o mês que antecedeu as legislativas, o Expresso publicou 30 retratos do que Portugal é hoje. Da natalidade ao envelhecimento, do desemprego jovem à criação de empresas, da pobreza ao desperdício alimentar, da agricultura às pescas, do cinema aos livros, do turismo ao ambiente, da emigração ao desporto, do talento à habitação. São 30 temas, 30 números e 30 histórias que agora juntamos num único artigo

Raquel Albuquerque,
Helena Bento,
Liliana Coelho e Maria João Bourbon (textos)
Sofia Miguel Rosa (infografia)
e Maria Romero (webdesign)

Agricultura
Minha querida agricultura

Alfabetização
A dignidade de saber ler e escrever. E de compreender

Alimentação
O que sobra a um é o que falta a outro

Cinema
“Não estou a fazer sapatos nem salsichas - há mais qualquer coisa nisto”

Comunicações
O maravilhoso mundo dos computadores gigantes

Crime
Das estatísticas morais à construção social

Desemprego
Queria fazer mais e não consigo

Desporto
Desporto para todos?

Emigração
Era o meu momento

Empresas
“Tenho uma ideia: vamos ensinar desempregados a programar”

Energia
Um eixo e uma asa: uma história de cor verde, limpa

Envelhecimento
É preciso aprender a envelhecer

Exportações
Um sabor a terra: o ouro branco da gastronomia

Floresta
Vejo tudo negro

Habitação
Uma casa para o resto da vida

Ideia portuguesa
A ideia é levar isto ao mundo todo

Imigração
Entre a vontade de ficar e o desejo de regressar

Livros e jornais
Um país com menos livros e menos jornais

Mercado automóvel
Os 44 anos de um Carocha que custou 60 contos e 56 escudos

Natalidade
O “fator 30” traz mais bebés?

Participação política
Votar ou não votar?

Pesca
Treze mil dias de mar

Pobreza
“Porque hei de ir embora mais cedo para depois estar sozinho?”

Prisões
Vencer o vício da prisão

Resíduos urbanos
Do lixo para os palcos: “Os contentores são a minha enciclopédia”

Salários
É isto que eles pagam

Saúde
O problema mais sério ainda está para chegar

Subsídios
Uma prestação com história

Talentos
É como fuligem que se deposita nas paredes da nossa cabeça

Turismo
A liberdade de ter tempo